Jair Bolsonaro manda Secretaria da Cultura para o Ministério do Turismo
General News

Jair Bolsonaro manda Secretaria da Cultura para o Ministério do Turismo

Nesta última quinta-feira (7), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) transferiu a Secretaria Especial de Cultura, além de outros órgãos do Ministério da Cidadania, para o Ministério do Turismo.

Com esta determinação, a partir de agora, o Ministério do Turismo terá a responsabilidade de cuidar do patrimônio histórico, artístico e cultural, regulação dos direitos autorais, entre outras atribuições.

O decreto foi publicado no Diário Oficial dessa quinta-feira. O site da Secretaria de Cultura informou que esta decisão foi tomada de comum acordo.

Família Soares

O ex-deputado federal Marcos Soares, que vem a ser filho do pastor R. R. Soares, é considerado o mais cotado para o comando da pasta. Outro nome que foi ventilado para comandar a Secretaria de Cultura é o de Roberto Alvim, atual diretor de artes cênicas da Funarte.

Além da Secretaria de Cultura também mudaram de pasta o Conselho Nacional de Política Cultural, a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura e também a Comissão do Fundo Nacional de Cultura.

Estes são três órgãos colegiados responsáveis por formularem políticas para a cultura e analisar propostas que poderão receber recursos públicos e incentivos fiscais, como a Lei Rouanet.

Após a extinção do Ministério da Cultura, a área cultural foi rebaixada e se tornou uma secretaria no Governo Bolsonaro. A pasta estava sob os cuidados do Ministério da Cidadania, comandado desde o início de 2019 pelo ministro Osmar Terra.

Não perca as últimas notícias!

Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.

Jair Bolsonaro
Governo

Agora a secretaria está sob o comando de Marcelo Álvaro Antônio, ministro suspeito de comandar esquema de candidaturas laranjas do PSL. O decreto também determina que seis secretarias vinculadas ao órgão irão para a pasta do Turismo, porém, não foram ditas quais são essas secretarias.

Os funcionários da Secretaria de Cultura se surpreenderam com a mudança, que veio de uma reunião ocorrida na noite de quarta-feira, em que estiveram presentes Osmar Terra e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Pelo Twitter, o ex-ministro da Cultura e deputado estadual Marcelo Calero (Cidadania-RJ), reagiu negativamente a esta dança das cadeiras no governo Bolsonaro.

Segundo o parlamentar, não importa em qual setor, pois “neste governo a visão obscurantista vai sempre prevalecer”. Ele cita ainda que enquanto em outros países a cultura é vista como “arcabouço civilizatório”, no Brasil a cultura “é hostilizada por capricho infantil de Bolsonaro”.

Nao importa o Ministério, neste governo a visão obscurantista vai sempre prevalecer. Enquanto países avançados veem a cultura como arcabouço civilizatório e eixo de desenvolvimento estratégico, aqui ela é hostilizada por capricho infantil de Bolsonaro.É a vitória da boçalidade.

— Marcelo Calero (@caleromarcelo) 7 de novembro de 2019

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) criticou a entrada de evangélicos na área da cultura do governo.

Para Frota, o presidente está perdendo apoio popular e está em busca de apoio do público evangélico.

Não perca a nossa página no Facebook!

© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS







Read More

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *